PSICANÁLISE
Sobre a Psicanálise

"A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz."
Sigmund Freud

"O homem enérgico e quem é bem-sucedido é o que consegue transformar em realidades as fantasias do desejo"
Sigmund Freud

 

"Os judeus admiram mais o espírito do que o corpo. A escolher entre os dois, eu também colocaria em primeiro lugar a inteligência"
Sigmund Freud

 

"Toda ciência procura pela verdade;
a Psicanálise é a única que
acredita que a busca da
verdade é em si um processo terapêutico"
Bion

 

"Psicodinâmica do amor e do ódio
nas relações grupais"

Riad Simom


Sigmund Freud (1856-1939), Médico Neurologista e fundador da psicanálise.
A origem da psicanálise data do ano de 1882 pelo renomado Sigmund Freud – austríaco, médico e neurologista.
O tratamento psicanalítico, busca o autoconhecimento por meio de modificações neurológicas;  visando padrões comportamentais adequados.
A psicanálise se propõe compreender e tratar o ser humano.
A psicanálise trabalha de maneira independente da psicologia, compreende e analisa o inconsciente do individuo o qual se baseia nas premissas:

compreende e analisa o inconsciente do individuo o qual se baseia nas premissas:

  • Um método eficaz para a explorar a pisque e seu funcionamento;
  • Um sistema teórico que versa sobre a vida e o comportamento do ser humano;
  • Um método clínico de tratamento que se baseia na aplicação da técnica da Associação Livre.

INCONSCIENTE

O adjetivo inconsciente é por vezes usado para exprimir o conjunto dos conteúdos não presentes no campo efetivo da consciência, sem se fazer discriminação entre os conteúdos dos sistemas pré-consciente e inconsciente.

 O inconsciente designa um dos sistemas definidos por Freud no quadro da sua primeira teoria do aparelho psíquico. É constituído por conteúdos recalcados aos quais foi recusado o acesso ao sistema pré-consciente-consciente.

O inconsciente é fortemente investido pela energia pulsional, que procura retornar à consciência.
   
      O inconsciente designa sob a sua forma substantiva como sistema. São especialmente do adjetivo inconsciente enquanto qualifica em sentido restrito os conteúdos do referido sistema.

O termo inconsciente é usado sobretudo na sua forma adjetiva; efetivamente, inconsciente deixa de ser o que é próprio de uma instância especial, visto que qualifica o id e, em parte, o ego e o superego.

As características atribuídas ao sistema Ics na primeira tópica são de um modo geral atribuídas ao sistema Ics na primeira tópica são de um modo geral atribuídas ao Id na segunda;

A diferença entre o pré-consciente e o inconsciente, embora já não esteja baseada numa distinção intra-sistêmica (o ego e o superego são em parte pré-conscientes e em parte
Inconscientes).

O inconsciente, é primacial e indispensável objeto de investigação da psicanálise designada por Sigmund Freud em um conjunto de três definições, sendo:

1.  A psicanálise é um método para a investigação dos processos mentais inconscientes que são praticamente inalcançáveis por qualquer outro método;

2.  A psicanálise é um método que, através da investigação minuciosa dos processos mentais humanos, se destina a tratar toda sorte de distúrbios mentais;

3.  A psicanálise é um conjunto de informações psicológicas que se formou a partir de diversas investigações preliminares empreendidas pela psicologia e outras ciências humanas, tendo posteriormente se tornado uma disciplina científica independente das outras.

Tratamento clínico:
A psicanálise atende as disfunções e transtornos psicológicos: fobias, depressão, dependência química, problemas conjugais, dores físicas, orientação profissional, falta de motivação, dificuldades de realizações, falta de criatividade, baixo astral, medos, síndrome de pânico, disfunções mentais, entre  outros.

 

”Nada lhe posso dar que já não existam em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo.”
 (Hermann Hesse)